prozac 40mg popliteal celexa 20mg cardiac concurrent clonidine 0.1mg test recovery buy exelon Healthy stories buyneurontinonlinehere.com buying abilify online school lipitor online no rx deoxyribonucleic

Blog do Desemprego Zero

Arquivado em 'Marcelo Henriques de Brito':

A vinda de D.João VI e a abertura do Resseguro

Postado em 25 dEurope/London janeiro dEurope/London 2008

Marcelo Henriques de Brito (*)

Em 2008, comemoram-se duzentos anos do legado da chegada ao Brasil de D.João VI e sua corte, que incluiu a assinatura da Carta Régia de 28 de Janeiro de 1808, que abriu os portos brasileiros ao intercâmbio internacional. Ainda que inicialmente somente a Inglaterra fosse beneficiada – até por sua inegável contribuição na escolta marítima da corte portuguesa, a abertura comercial era irreversível e, por exemplo, em novembro de 1827, o Brasil e as cidades hanseáticas Hamburg, Bremen e Lübeck firmaram um Tratado Marítimo. Além de ampliar o comércio, os estrangeiros trouxeram para o Brasil novas idéias e inspiraram novas atitudes, sendo notável tanto a influência do britânico Richard Carruthers na formação empresarial do grande Barão de Mauá, quanto o empreendedorismo de inúmeros imigrantes no desenvolvimento de empresas brasileiras. Leia o resto do artigo »

Postado em Desenvolvimento, Marcelo Henriques de Brito | 1 Comentário »

EDUCAR PARA ESTABELECER TRANSAÇÕES

Postado em 3 dEurope/London novembro dEurope/London 2007

Marcelo Henriques de Brito (*)

 Ao vivermos em sociedade, trabalhamos em equipe e precisamos estabelecer trocas, mesmo quando não percebemos isso de imediato. Ninguém se supre de tudo de que necessita. Quem produz, simultaneamente, para si mesmo: vestuário, alimento, energia elétrica e opções de lazer? Cada pessoa contribui em uma determinada atividade, considerando suas qualificações, e cada organização supre uma produção, considerando sua missão empresarial. Cada um procura estabelecer, posteriormente, relações de troca para obter o que não produziu.

 Embora possam existir condições de demanda para as quais não há uma  correspondente oferta, não é plausível supor que a simples existência de uma oferta crie uma demanda. Considerando que uma oferta de qualificações profissionais não gera necessariamente uma demanda correspondente, é complexo sugerir o que deve ser ensinado e aprendido.

 Exemplificando: uma pessoa numa região assolada pela seca deve receber que tipo de formação? Leia o resto do artigo »

Postado em Conjuntura, Marcelo Henriques de Brito | Sem Comentários »