prozac 40mg popliteal celexa 20mg cardiac concurrent clonidine 0.1mg test recovery buy exelon Healthy stories buyneurontinonlinehere.com buying abilify online school lipitor online no rx deoxyribonucleic

Blog do Desemprego Zero

Arquivado em 'Leonardo Nunes':

A SEMANA A LIMPO

Postado em 5 dEurope/London setembro dEurope/London 2008

Léo Nunes – Paris

 

 

Brasil

 

Segundo o blog do Josias, da Folha on-line (clique aqui para ler), a cúpula do tucanato tenta articular secretamente um encontro com o presidente Lula para discutir o “grampogate”, que, segunda a revista (?) Veja, incluiria um grampo de uma conversa entre o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) e o presidente do Supremo Tribunal Federal STF), Gilmar Mendes. A pergunta, muito bem formulada, por Paulo Henrique Amorim (clique aqui para ler), é a seguinte: onde está o tal grampo? Ou será mais uma armação da Veja, como a dos dólares de Cuba para campanha petista? O governo continua refém da imprensa. Lamentavelmente.

 

Economia

 

A OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico) aponta, em estudo apresentado nesta semana, que as perspectivas de crescimento para economia brasileira aumentaram. A mesma pesquisa pontua a possível deterioração nas perspectivas de crescimento por parte dos países do G-7. A crise econômica mundial ainda não apresentou todas as suas conseqüências. É esperar para ver.

 

Internacional

 

Angola viverá sua segunda eleição legislativa, nesta sexta-feira, após 27 anos de guerra civil. O Movimento Popular pela Libertação de Angola (MPLA), partido do presidente José Eduardo dos Santos, deve ganhar a eleição. A oposição acusa o MPLA de utilizar a máquina pública na propaganda eleitora. Os observadores internacionais também têm criticado a organização das eleições.

 

Leonardo Nunes: Mestre em Economia pela Unicamp e doutorando em Economia pela Universidade Paris-1 Pantheon-Sorbonne. Correspondente do Dezemprego Zero na capital francesa, escreve neste espaço às segundas, quartas e sextas-feiras.  Meus Artigos

 

 

Clique aqui para ler nosso manifesto.

Postado em A Semana a Limpo, Conjuntura, Internacional, Leonardo Nunes, Política Brasileira, Política Econômica | Sem Comentários »

O BACEN E A OBSESSÃO PELA TAXA DE JUROS

Postado em 4 dEurope/London setembro dEurope/London 2008

RIVE GAUCHE

 

Léo Nunes – Paris - O Comitê de Política Monetária (Copom) se reúne na semana que vem para decidir o futuro da Selic, a taxa básica de juros da economia. Analistas do mercado acreditam que a autoridade monetária deve mais uma vez aumentar a taxa, devido a um suposto risco inflacionário.

 

Apesar da elevação do índice de utilização da capacidade instalada, o que se vê na economia mundial é um arrefecimento dos preços das commodities, dentre elas o petróleo e o aço. Tal fato pode ter dois efeitos. Se por um lado, há um efeito de diminuição no nível dos preços, por outro lado a redução da receita das exportações pode levar a uma desvalorização da taxa de câmbio.

 

Entretanto, como já alertamos anteriormente neste espaço, é absolutamente questionável a utilização da taxa de juros para absorver choques externos. Economistas de alto gabarito, como o prêmio Nobel Joseph Stiglitz, argumentam que o impacto de um aumento da taxa de juros para absorver tais choques pode ser inócuo ou ínfimo, o que o torna indesejável, dado seu alto custo em termos de crescimento econômico e geração de empregos.

 

Mesmo com tantos argumentos contrários, o Banco Central deve utilizar seu monetarismo cego para tomar a decisão da próxima semana. A crítica de importantes setores do governo à política monetária do Bacen nos leva ao questionamento de quem realmente dá as cartas por lá: o governo ou o mercado financeiro.

 

Leonardo Nunes: Mestre em Economia pela Unicamp e doutorando em Economia pela Universidade Paris-1 Pantheon-Sorbonne. Correspondente do Dezemprego Zero na capital francesa. Meus Artigos

 

Clique aqui para ler nosso manifesto.

Postado em Conjuntura, Leonardo Nunes, Política Brasileira, Política Econômica, Rive Gauche | Sem Comentários »

A SEMANA A LIMPO

Postado em 30 dEurope/London agosto dEurope/London 2008

Léo Nunes – Paris

 

 

Brasil

 

O presidente Lula se prepara para entrar com força nas eleições municipais deste ano. Neste fim de semana, Lula fará sua primeira aparição pública ao lado da candidata Marta Suplicy. Além disso, o presidente participará de campanhas petistas no ABC, reduto histórico do partido. A eleição municipal, além de importante por si mesma, pode ser um preâmbulo para 2010.

 

Economia

 

O cenário externo tem prejudicado o rendimento da Bovespa. O investimento na bolsa paulista continua a ocupar a última colocação no ranking das aplicações financeiras. A perda acumulada já alcançou a marca dos 6,43%. Este pode ser uma amostra do que pode acontecer com os fluxos de capitais, e com as contas externas, no caso de uma violenta reversão do ciclo. Num ambiente de finanças liberalizadas, não haverá muito a ser feita.

 

Internacional

 

O candidato republicano Jonh McCain escolheu o nome para compor a chapa para concorrer à Casa Branca. A escolhida é a governadora do Alaska, Sarah Palin. A jovem política de 44 anos pode fazer um contraponto a idade do senador MacCain, além da possível atração de parte dos votos da ex-primeira dama Hillary Clinton.

 

Leonardo Nunes: Mestre em Economia pela Unicamp e doutorando em Economia pela Universidade Paris-1 Pantheon-Sorbonne. Correspondente do Dezemprego Zero na capital francesa, escreve neste espaço às segundas, quartas e sextas-feiras.  Meus Artigos

 

 

Clique aqui para ler nosso manifesto.

Postado em A Semana a Limpo, Conjuntura, Internacional, Leonardo Nunes, Política Brasileira, Política Econômica | 2 Comentários »

O PRÉ-SAL E O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL

Postado em 28 dEurope/London agosto dEurope/London 2008

RIVE GAUCHE

 

Léo Nunes – Paris - A descoberta de abundantes reservas petrolíferas, da costa de Santa Catarina ao sul da Bahia, tem suscitado um grande debate acerca do modelo de regulação e extração da referida camada, o que pode impactar diretamente uma política de desenvolvimento.

 

O modelo norueguês parece ser o mais bem sucedido. Em primeiro lugar, ele é baseado na existência de uma empresa de capital misto responsável pela extração de petróleo. Em segundo lugar, há uma empresa estatal a quem é atribuída a gestão e regulação das reservas. Por fim, constituiu-se um fundo soberano com vistas a controlar uma possível apreciação da taxa de câmbio e garantir uma política de desenvolvimento para o país.

 

No caso brasileiro, parece razoável utilizar tal modelo dado que nossa taxa de câmbio já se encontra apreciada. Além disso, tal fundo poderia ser utilizado para investimentos em educação, tecnologia e infra-estrutura. A extração e exportação deste petróleo podem aumentar consideravelmente a margem de manobra da política fiscal brasileira, abrindo para o país uma oportunidade histórica de desenvolvimento.

 

Portanto, a camada pré-sal pode ser utilizada para fortalecer as indústrias petroquímica e naval, centrada na criação de setores de produção com alto valor agregado. Entretanto, tais possibilidades podem se concretizar somente se o governo adotar um modelo regulatório que favoreça a capacidade fiscal do Estado e a indústria nacional. Caso contrário, estaremos condenados ao retrocesso.

 

Leonardo Nunes: Mestre em Economia pela Unicamp e doutorando em Economia pela Universidade Paris-1 Pantheon-Sorbonne. Correspondente do Dezemprego Zero na capital francesa. Meus Artigos

Clique aqui para ler nosso manifesto.

Postado em Desenvolvimento, Destaques da Semana, Internacional, Leonardo Nunes, Política Brasileira, Política Econômica, política industrial, Política Social, Rive Gauche | Sem Comentários »

A SEMANA A LIMPO

Postado em 22 dEurope/London agosto dEurope/London 2008

Léo Nunes – Paris

 

 

Brasil

 

O presidente Lula voltou a afirmar que vai fazer seu sucessor em 2010. Nos bastidores, Lula trabalha pelo nome da ministra Dilma Rouseff (Casa Civil). Entretanto, Marta Suplicy e o ministro Tarso Genro (Justiça) correm por fora pela nomeação. O sucesso da empreitada do presidente dependerá da sua capacidade de transferência de votos.

 

Economia

 

Depois dos resultados negativos divulgados pelos países da zona do euro, é a vez da Inglaterra mostrar que sua economia também não vai bem. O crescimento do PIB foi nulo no segundo trimestre do ano. Este é mais um sinal de alerta para o fato de que os ventos da economia mundial estão mudando de lado.

 

Internacional

 

Um acidente com um avião da SpainAir deixou 153 mortos no aeroporto de Barajas, na Espanha. Segundo o diário espanhol El País, horas antes do acidente funcionários da companhia preparavam uma greve contra a demissão maciça de funcionários. A empresa enfrenta graves problemas financeiros.

 

Leonardo Nunes: Mestre em Economia pela Unicamp e doutorando em Economia pela Universidade Paris-1 Pantheon-Sorbonne. Correspondente do Dezemprego Zero na capital francesa, escreve neste espaço às segundas, quartas e sextas-feiras.  Meus Artigos

 

 

Clique aqui para ler nosso manifesto.

Postado em A Semana a Limpo, Conjuntura, Internacional, Leonardo Nunes, Política Brasileira, Política Econômica | 1 Comentário »

UMA NOVA ARQUITETURA DE POLÍTICA ECONÔMICA

Postado em 21 dEurope/London agosto dEurope/London 2008

RIVE GAUCHE

 

Léo Nunes – Paris - A crise econômica mundial tem trazido incertezas consideráveis aos diferentes países no que tange a melhor estratégia de política econômica a ser seguida. Os economistas alinhados à ortodoxia econômica, que até pouco tempo atrás exaltavam a “qualidade” da política econômica, atribuem as atuais fraquezas do país frente à crise que se avizinha à inconsistência de política econômica.

 

Para muitos deles, o país não tem feito o esforço fiscal necessário para alcançar uma taxa de juros em níveis civilizados. Além disso, a falta de reformas microeconômicas criaria uma insegurança jurídica que inibiria os investimentos. Por fim, a meta de inflação deveria ser seguida a risca para colaborar com a formação de expectativas por parte do mercado.

 

Em primeiro lugar, é absolutamente questionável a existência de uma correlação estatística significante entre política fiscal e taxa de juros. Joseph Stgiltz, Dani Rodrik, Barry Eichengreen, dentre outros importantes economistas, colocam em dúvida tal relação. A taxa de juros é estruturalmente mais alta em países periféricos, dado o caráter inconversível da nossa moeda, ou seja, pelo fato da mesma não cumprir a função reserva de valor no plano internacional. Ademais, as altas taxas de juros são utilizadas para valorizar a taxa de câmbio com vistas a manter a inflação dentro da meta, dado que o passthrough, isto é, a variação da taxa de inflação resultante de uma variação da taxa de câmbio, é minimizada.

 

 O argumento da insegurança jurídica tampouco parece ser o principal problema para a falta de investimentos. Num país periférico com taxas de juros e de câmbio extremamente voláteis torna-se difícil estabelecer uma estrutura de financiamento de longo prazo. Por esta razão, faz-se necessária a intervenção direta do Estado em investimentos de longa maturação. Os anos de neoliberalismo e desmonte do Estado parecem ter contribuído para a escassez de investimentos. Já para controlar a volatilidade das taxas de câmbio e de juros, seria necessária a introdução de controles de capitais, de forma a selecionar os fluxos de capitais desejáveis, ou seja, aqueles ligados, direta ou indiretamente, ao investimento produtivo.

 

Por fim, a inflação não pode ser a única meta da autoridade monetária. Como demonstram as experiências do Federal Reserve Bank (FED, ou o Banco Central norte-americano) e do Banco central Europeu (BCE), taxas civilizadas de inflação devem ser alcançadas, mas sem perder de vista o crescimento econômico. Portanto, a meta não deve ser alcançada a custa de recessões e desemprego.

 

Leonardo Nunes: Mestre em Economia pela Unicamp e doutorando em Economia pela Universidade Paris-1 Pantheon-Sorbonne. Correspondente do Dezemprego Zero na capital francesa. Meus Artigos

Postado em Conjuntura, Desenvolvimento, Destaques da Semana, Leonardo Nunes, Política Brasileira, Política Econômica, Rive Gauche | Sem Comentários »

A SEMANA A LIMPO

Postado em 15 dEurope/London agosto dEurope/London 2008

Léo Nunes – Paris

 

 

Brasil

 

Nas eleições de São Paulo, Alckmin continua lutando contra os rebeldes vereadores do seu partido, que insistem em apoiar o “demo” Gilberto Kassab na corrida pela prefeitura de São Paulo. Serra se mantém aparentemente distante da disputa interna, mas nos bastidores articula para que sua ala não apóie Alckmin. A divisão continua favorecendo a candidata petista Marta Suplicy.

 

Economia

 

A zona do euro registrou, no segundo trimestre, sua primeira retração desde a criação da moeda européia. Isto pode ser um claro sinal de que um período recessivo pode estar a vista. Tal fato pode afetar o Brasil na medida em que a Europa é maior importadora de alimentos do mundo. A queda de 0,2% do PIB pode levar a autoridade monetária européia a relaxar sua política monetária.

 

Internacional

 

As tropas russas ainda mantêm o controle de quatro cidades da Geórgia. A ofensiva da Rússia teve início na semana passada, quando a Geórgia tentou retomar o controle da Ossétia do Sul. A resposta russa veio em poucas horas. Provavelmente, a Geórgia, aliada dos EUA na região, tomou tal medida com o apoio da Casa Branca. O Cáucaso é uma região muito importante devido à existência de recursos estratégicos. Rússia e EUA disputam a hegemonia na região.

 

Leonardo Nunes: Mestre em Economia pela Unicamp e doutorando em Economia pela Universidade Paris-1 Pantheon-Sorbonne. Correspondente do Dezemprego Zero na capital francesa, escreve neste espaço às segundas, quartas e sextas-feiras.  Meus Artigos

 

 

Clique aqui para ler nosso manifesto.

Postado em A Semana a Limpo, Conjuntura, Desenvolvimento, Internacional, Leonardo Nunes, Política Brasileira, Política Econômica | Sem Comentários »

A VITÓRIA DE MORALES E OS NOVOS DESAFIOS DA BOLÍVIA

Postado em 12 dEurope/London agosto dEurope/London 2008

A VITÓRIA DE MORALES E OS NOVOS DESAFIOS DA BOLÍVIA

 

RIVE GAUCHE

 

Léo Nunes – Paris - O presidente boliviano Evo Morales garantiu a vitória no referendo do último domingo. Com 63% dos votos, porcentagem maior do que a da sua eleição em 2005, o povo boliviano ratificou não apenas o desejo de permanência do líder aymar, mas também a esperança na continuação da revolução democrática que vem ocorrendo na Bolívia.

 

Não obstante, é necessário frisar que parte dos seus principais opositores também foram confirmados nos seus respectivos cargos. A vitória dos governadores de Santa Cruz, Beni, Pando e Tarija possibilitou o endurecimento do discurso por parte da direita boliviana. Desta forma, o principal desafio do presidente boliviano é levar adiante as reformas progressistas, sem colocar em risco a unidade política do país.

 

Morales deve se concentrar em três pontos. O primeiro deles é a continuidade da nacionalização de empresas que controlam recursos estratégicos, tais como o gás. Além da sua importância política, os recursos oriundos da exploração dos mesmos é a principal fonte de recursos do Estado, que os utiliza para a criação de programas de distribuição de renda.

 

Em segundo lugar, o governo deve avançar na reforma agrária. A absurda concentração de terras, que persiste na maior parte dos países latino-americanos, tem expulsado importantes contingentes de mão-de-obra para as grandes cidades, criando significativos bolsões de pobreza urbanos, que se consolidam como exército industrial de reserva disponível a baixos salários.

 

Em terceiro lugar, o país deveria, na medida de suas possibilidades, diversificar seu parque industrial, para que a melhoria na distribuição de renda tenha uma contrapartida na estrutura produtiva do país. Como já nos ensinaram o mestre Celso Furtado e a tradição cepalina, o desenvolvimento de um país só pode ser alcançado quando há homogeneização dos padrões de consumo, compatíveis com sua estrutura produtiva.

 

O desafio da Bolívia, e do governo Morales, é levar a cabo tal projeto, a despeito dos interesses da oligarquia boliviana, que defenderá com unhas e dentes o latifúndio e o desenvolvimento associado, sem soberania e respeito ao povo boliviano.

 

Leonardo Nunes: Mestre em Economia pela Unicamp e doutorando em Economia pela Universidade Paris-1 Pantheon-Sorbonne. Correspondente do Dezemprego Zero na capital francesa. Meus Artigos

 

Clique aqui para ler nosso manifesto.

Postado em Conjuntura, Desenvolvimento, Destaques da Semana, Internacional, Leonardo Nunes, Política Econômica, política industrial, Política Social, Rive Gauche | Sem Comentários »