prozac 40mg popliteal celexa 20mg cardiac concurrent clonidine 0.1mg test recovery buy exelon Healthy stories buyneurontinonlinehere.com buying abilify online school lipitor online no rx deoxyribonucleic

Blog do Desemprego Zero

Arquivado em 'Eduardo Kaplan':

INDÚSTRIAS CENTRAIS E PIONEIRAS: UMA ANÁLISE SOBRE A CONCENTRAÇÃO E DINÂMICA REGIONAL BRASILEIRA COM FOCO NO NORDESTE E PERSPECTIVAS DE POLÍTICAS

Postado em 4 dEurope/London novembro dEurope/London 2009

Fonte: Anais do Seminário Internacional sobre o Desenvolvimento Regional do Nordeste 

Por Gustavo Antônio Galvão dos Santos

Bruno Galvão dos Santos

Rodrigo Loureiro Medeiros

Eduardo Kaplan Barbosa

Manuel Salazar Jarufe

Este artigo propõe uma estrutura analítica que busca compreender a dinâmica regional dos processos de industrialização e avaliar algumas soluções de política. Essa estrutura analítica se baseará nas características especiais dos setores metal-mecânico, eletroeletrônico e químico, chamados de Indústrias Centrais, em oposição às Indústrias Pioneiras, constituídas basicamente pela chamada indústria tradicional e commodities. As Indústrias Centrais gravitam em torno da metal-mecânica. Considera-se que o processo de desenvolvimento deve-se basear primeiramente nas Indústrias Pioneiras, porém este será incompleto e insatisfatório enquanto as Indústrias Centrais não forem consideradas prioritárias e seu peso não for significativo. Posteriormente buscar-se-á mostrar princípios para aplicação da teoria em análise de políticas industriais e regionais no Brasil e em especial no Nordeste. Hoje entre as Indústrias Centrais, se observada a experiência asiática, percebe-se que a eletroeletrônica é a de mais fácil implantação em uma região subdesenvolvida. Por esse motivo é sugerido que o Nordeste invista nessa indústria para avançar em seu processo de industrialização.  

Clique aqui para ler o artigo na íntegra

Postado em Bruno Galvão, Desenvolvimento Regional, Destaques da Semana, Eduardo Kaplan, Gustavo Santos, política industrial, Rodrigo Medeiros | Sem Comentários »

INTEGRAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO COM AS BACIAS DO NORDESTE SETENTRIONAL: RACIONALIDADE ECONÔMICA E IMPACTOS NA DINÂMICA DE CRESCIMENTO DO SEMIÁRIDO

Postado em 4 dEurope/London novembro dEurope/London 2009

 

Fonte: Anais do Seminário Internacional sobre o Desenvolvimento Regional do Nordeste

Por Eduardo Kaplan Barbosa  e Gustavo Antônio Galvão dos Santos

Desde meados do século XIX, o Brasil vem implementando políticas de expansão da oferta hídrica no semiárido nordestino. Este artigo buscará compreender as possibilidades e restrições de suas vertentes em atuar como elementos de uma política de desenvolvimento regional. Para isso, centra sua análise no projeto de integração da bacia do rio São Francisco às bacias hidrográficas do nordeste setentrional, destacando seu efeito dinamizador não apenas da agricultura irrigada, mas de setores industriais e serviços urbanos. Para isso, o artigo comenta esforços teóricos na dimensão espacial da economia, centrados nos condicionantes da localização empresarial. A partir dessas contribuições, é apresentada uma síntese do corpo teórico do desenvolvimento regional, destacando principais as contribuições na identificação dos mecanismos causadores dos diferenciais de renda e das taxas de crescimento. O trabalho procura relacionar a ausência de garantia de suprimento contínuo de água com uma possível restrição à diversificação econômica. Argumenta-se que, ao fornecer um volume de água suficiente para homogeneizar níveis nacionais de consumo per capita, a integração da bacia do rio São Francisco às bacias hidrográficas do nordeste setentrional poderá ser um vetor de desenvolvimento econômico que viabilize um semiárido brasileiro mais rico e dinâmico.  

Clique aqui para ler o artigo na íntegra

Postado em Desenvolvimento Regional, Destaques da Semana, Eduardo Kaplan, Gustavo Santos, Política Econômica | Sem Comentários »

Obama mostra que será um grande estadista: Ele capitaliza e inverte Efeito negativo do discurso do pastor!

Postado em 19 dEurope/London março dEurope/London 2008

Comentada por Eduardo Kaplan e Gustavo Santos

“A indignação é real, é poderosa, e simplesmente pretender que desapareça, sem compreender suas origens só serve para aprofundar o abismo da compreensão que existe entre as duas raças”.

Ele consegue rejeitar o confronto que o tal pastor queria criar, talvez até para ajudar o Obama pelo possível instigamento do votos dos negros ou captando votos de brancos “com consciência pesada”. Diz ainda que as palavras do pastor foram de divisão e o que “precisamos é de união”. Rejeita, mas deixa claro que existe um abismo racial a ser transposto.

Barack Obama critica discurso de seu líder espiritual e defende união racial nos EUA

Do Globo online

O pré-candidato democrata à Presidência dos EUA Barack Obama fez nesta terça-feira um contundente discurso sobre as divisões raciais explicitadas na corrida presidencial americana. O senador falou abertamente sobre o ressentimento entre brancos e negros no país e a controvérsia causada pelo discurso de um pastor negro ligado à sua campanha. Leia o resto do artigo »

Postado em Eduardo Kaplan, Gustavo Santos, Internacional | 1 Comentário »

Por que as tarifas foram para os céus?

Postado em 4 dEurope/London fevereiro dEurope/London 2008

Gustavo Antônio Galvão dos Santos

Eduardo Kaplan Barbosa

José Francisco Sanches da Silva

Ronaldo da Silva de Abreu   Versão para impressão

“É estranho o Brasil ter uma tarifa elétrica tão cara sabendo-se que a energia brasileira vem primordialmente a partir da água, que é renovável e gratuita. Como, então, conseguimos ter uma tarifa tão próxima a de países que são dependentes de um petróleo cada vez mais caro e que praticamente não têm rios para a produção de energia?” Técnico do setor

O PROBLEMA 

Acabou a era da hipocrisia. O “rei está nu”. A organização do sistema elétrico implantada em 2004 não foi e nunca será capaz de resolver problemas fundamentais decorrentes da privatização realizada no governo FHC. Simplesmente porque não enfrentou os grandes problemas do modelo que ficaram evidentes no Apagão de 2001. Faltou ao governo enfrentar os grandes interesses envolvidos. Nesta recente organização, o interesse público entrou pela janela, pediu para sentar no cantinho e, tímido, pouco levantou o dedinho para fazer sugestões. Houve diversas melhorias em relação ao modelo do governo anterior que havia levado o país ao apagão. Mas ainda deixa muito da desejar. Leia o resto do artigo »

Postado em Desenvolvimento, Eduardo Kaplan, Energia, Gustavo Santos, Haverá outro APAGÃO?, Propostas | Sem Comentários »

Arranjos Produtivos Locais – APL e Desenvolvimento

Postado em 26 dEurope/London janeiro dEurope/London 2008

Gustavo Antônio Galvão dos Santos

Eduardo José Diniz

Eduardo Kaplan Barbosa

Bruno Galvão dos Santos

Artigo escrito para o Seminário Nacional Arranjos Produtivos Locais como Instrumento de Desenvolvimento promovido pelo BNDES.

Versão para impressão

O Brasil tem sofrido uma longa crise econômica nos últimos 25 anos. Não é uma crise decorrente de nossa incapacidade técnica, pois já crescemos mais com menos conhecimento econômico e tecnológico. Não é uma crise decorrente de caos internacional, pois já crescemos mais em um mundo em depressão e em guerra. Não é uma crise de governabilidade, pois já crescemos mais em épocas realmente conflituosas e de antagonismo político.

Esta é uma crise de fé. De falta de fé na capacidade de compreendermos nossos próprios problemas e decidirmos nós mesmos como solucioná-los, ainda que essa decisão possa conflitar com as decisões usualmente tomadas e usualmente sugeridas. Leia o resto do artigo »

Postado em Bruno Galvão, Desenvolvimento, Eduardo Kaplan, Gustavo Santos, RESUMOS DO DIA | 14 Comentários »

DR. PEDRO SARAIVA: COLUNISTA ” Eliane Cantanhêde ” COMETEU “EXERCÍCIO ILEGAL” DA MEDICINA

Postado em 18 dEurope/London janeiro dEurope/London 2008

Eduardo Kaplan Barbosa

A mídia vem tentando empurrar a idéia de que estamos vivendo uma epidemia de febre amarela no Brasil.

Luiz Carlos Azenha do blog Vi o Mundo recebe carta de especialista no assunto. Ele diz que não há nenhum desvio do padrão de ocorrência da febre amarela observado há mais de uma década.

Qual o interesse por trás de notícias alarmistas?

Criar um estado de pânico na população?

Um palpite: a mídia continuará propagando uma pretensa epidemia até conseguir mandar todos brasileiros para uma fila de posto de saúde, buscando tomar uma vacina que só é recomendada para pessoas que entram em zonas de risco. Quando a mídia conseguir multiplicar o desperdício com vacinações desnecessárias e forçar uma falsa “crise de racionamento” de vacinas talvez fique satisfeita. Poderá dizer que essa seria mais uma “demonstração” de “incompetência” do governo. Leiam a entrevista e tirem suas próprias conclusões.

DR. PEDRO SARAIVA: COLUNISTA COMETEU “EXERCÍCIO ILEGAL DA MEDICINA”

Atualizado em 18 de janeiro de 2008

POR PEDRO SARAIVA para o blog eu vi o mundo

Caro Azenha, sou médico clínico geral e nefrologista formado pela UFRJ. Sou seu leitor assíduo, e resolvi escrever-lhe para ver se pelo menos aqui, no seu blog, um médico consegue espaço para falar sobre essa histeria que envolve a febre amarela. Leia o resto do artigo »

Postado em Conjuntura, Eduardo Kaplan, Política Brasileira, Política Social | Sem Comentários »

Amazônia serve para Desenvolvimento Social?

Postado em 17 dEurope/London janeiro dEurope/London 2008

Eduardo Kaplan Barbosa*

O Ministro do Longo Prazo, Mangabeira Unger, manifestou interesse em incluir a região da Amazônia na agenda de desenvolvimento brasileiro, e por isso tem recebido diversos ataques (clique aqui para ler a reportagem em ” O Globo “).

Desenvolvimento Ecologicamente Sustentável

Depois de décadas em que o Brasil privilegiou o crescimento econômico a qualquer preço, sem considerar os impactos ambientais, o senso comum atual a respeito da Amazônia Leia o resto do artigo »

Postado em A POLÍTICA AMBIENTAL externa está equivocada?, Comentários sobre a Imprensa Brasileira, Desenvolvimento, Eduardo Kaplan, Política Brasileira, Política Social, Transposição do São Francisco: redenção ou desastr | Sem Comentários »