prozac 40mg popliteal celexa 20mg cardiac concurrent clonidine 0.1mg test recovery buy exelon Healthy stories buyneurontinonlinehere.com buying abilify online school lipitor online no rx deoxyribonucleic

Blog do Desemprego Zero

Arquivado em 'Ceci Juruá':

Bancos sem mitos

Postado em 12 dEurope/London maio dEurope/London 2010

Enviado pela professora Ceci Juruá

O humor veio colaborar com a compreensão desta e de crises financeiras anteriores. Com ironia, o humorista gráfico espanhol, conhecido como El Roto, fez uma ilustração na qual um banqueiro diz: “A operação foi um sucesso: fizemos parecer uma crise o que não passou de um saque”. Recessão, destruição de empregos, protestos populares e mortes, aumento de impostos regressivos e redução de salários e aposentadorias, que conformam um quadro de profunda deterioração social são considerados danos menores. O artigo é de Alfredo Zaiat, do Página 12.

Alfredo Zaiat – Página 12

O próximo momento da crise grega se mostra tão previsível que provoca certa incredulidade na resposta dos líderes mundiais e organismos multilaterais. A débâcle argentina de 2001 é tão recente que parece que não aconteceu, para seguirmos nos persuadindo na insistência na receita do fracasso, com o FMI relegitimado pelas potências como auditor e polícia do ajuste. Embora substancial nas decisões, esse comportamento não se deve apenas a uma concepção ortodoxa de abordagem da questão econômica. O aspecto central é a hegemonia das finanças na fase atual do capitalismo global, que orienta o sentido das medidas do ajuste.

Estas medidas visam a evitar as bancarrotas bancárias generalizadas para evadir os custos ainda maiores que os atuais, dramáticos, e que já são ineludíveis. Recessão, destruição de empregos, protestos populares e mortes, aumento de impostos regressivos e redução de salários e aposentadorias, que conformam um quadro de profunda deterioração social são considerados danos menores frente à possibilidade de uma derrubada do sistema financeiro. Para evitá-la, anunciam pacotes milionários de auxílio como um ato de fé, apostando em melhorar dessa maneira as expectativas e em evitar a débâcle, ainda que a contrapartida seja o ajuste que aprofunda a crise e acelera o desenlace da desvalorização e do default.

O grande temor não é a queda da Grécia, que de fato já está prostrada numa virtual moratória, mas a situação dos grandes bancos europeus e o efeito expansivo para o resto da Europa, em especial países vulneráveis, como a Espanha e Portugal. A intervenção ativa da Alemanha nesta crise se explica, além de por sua condição de potência européia, como medida de proteção de seus bancos, dada a elevada exposição creditícia que eles têm nesses três países: na Grécia, 45,003 bilhões de dólares, em Portugal, 47,377 bilhões de dólares e, na Espanha, 237,983 bilhões de dólares.

Nesses três mercados a exposição de entidades alemãs equivale a quase 10% do total dos financiamentos externos de seu sistema bancário. No total, a exposição dos bancos europeus na Grécia chega a 192, 062 bilhões de dólares; em Portugal, a 240, 498 bilhões de dólares e, na Espanha, a 832, 288 bilhões de dólares. A fonte dessas cifras é o Banco Internacional de Compensações (BIS, em sua sigla em inglês) e correspondem ao fim de 2009.

O humor veio colaborar com a compreensão desta e de crises financeiras anteriores. Com ironia, o humorista gráfico espanhol, conhecido como El Roto, fez uma ilustração na qual um banqueiro diz: “A operação foi um sucesso: fizemos parecer uma crise o que não passou de um saque”.

Postado em Ceci Juruá, Conjuntura, O que deu na Imprensa | Sem Comentários »

Nos balanços corporativos, a arte de reduzir cabeças

Postado em 8 dEurope/London abril dEurope/London 2008

Ceci Juruá*

Durante os anos 1990 muitas decisões determinantes da repartição da renda nacional foram transferidas aos mercados, como resultado de privatizações de estatais e da mercantilização crescente de bens e serviços outrora orientados para o interesse público e social (transporte público, luz e gás, telefonia, educação, saúde, entre outros).

O setor elétrico, exposto à desnacionalização, à centralização/concentração de capital e aos padrões anglo-saxões de governança corporativa [1] [2], constitui hoje bom exemplo das preferências dos mercados em matéria de distribuição perversa dos frutos do progresso, conforme explicamos neste artigo com base em dados retirados dos demonstrativos financeiros de 2007. Agregando os resultados de três dos maiores conglomerados do setor elétrico, podemos observar a seguinte distribuição do Valor Adicionado (VA) a custo de fatores :

___________________________

39% são canalizados para o pagamento de dividendos,

37% destinam-se ao pagamento de juros e de aluguéis,

8% é a parcela poupada (lucros retidos e reservas)

16% é a parte dos trabalhadores

____________________________________________

Os conglomerados selecionados realizaram, em conjunto, valor adicionado superior a R$ 5 bilhões, dos quais 84%, isto é R$ 4,2 bilhões, constituiram remuneração do capital. Leia o resto do artigo »

Postado em Ceci Juruá, Política Brasileira, Política Econômica | 1 Comentário »