prozac 40mg popliteal celexa 20mg cardiac concurrent clonidine 0.1mg test recovery buy exelon Healthy stories buyneurontinonlinehere.com buying abilify online school lipitor online no rx deoxyribonucleic

Blog do Desemprego Zero

Arquivado em 'CPMF: e agora?':

PEC DA REFORMA TRIBUTÁRIA É ENTREGUE AO CONGRESSO

Postado em 28 dEurope/London fevereiro dEurope/London 2008

Léo Nunes – Ao Sul do Equador

São Paulo – O Ministro da Fazenda, Guido Mantega, entregou nesta quinta-feira a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) da reforma tributária ao Congresso Nacional. Além disso, o governo encaminhará um projeto de desoneração de investimentos e de produtos da cesta básica, tais como o óleo de soja e o pão francês.

A proposta inclui a redução do prazo de utilização dos créditos do ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre bens de capital e os referentes ao PIS/Cofins. Outro ponto polêmico da reforma é a desoneração da folha de pagamentos das empresas, que agrada à classe patronal, mas desagrada às centrais sindicais, que temem pela redução das fontes de financiamento da Previdência Social.

De fato, a proposta do governo avança em poucos aspectos. Por um lado, simplifica a cobrança de impostos ao unificar tributos. Mas por outro lado, como afirmou a deputada Luciana Genro (PSol-RS), mais parece um remendo fiscal, pois não toca no ponto nevrálgico da estrutura tributária brasileira. Ao invés de taxar, sobretudo, a riqueza e a propriedade, nosso sistema tributário incide predominantemente sobre o consumo, tornando-o extremamente regressivo (clique aqui para ler mais sobre a reforma tributária).

Clique aqui para ler nosso manifesto.

Postado em Conjuntura, CPMF: e agora?, Leonardo Nunes, Política Brasileira, Política Econômica, Rive Gauche | Sem Comentários »

Farra cambial é isso aí

Postado em 29 dEurope/London janeiro dEurope/London 2008

Enquanto o Banco Central (BC) divulgava, segunda-feira, que em 2007 as remessas de lucros e dividendos somaram US$ 21,236 bilhões, 29,85% superiores ao verificado em 2006, o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento da Indústria (Iedi), observando a balança dos bens industriais, constatou que ano passado houve uma “reversão radical” no desempenho: o Brasil saiu de um valor positivo de US$ 5,9 bilhões para um déficit de US$ 7,8 bilhões, mudança que totaliza US$ 13,7 bilhões “e não tem paralelo nos últimos dez anos“.

O Iedi diz ainda que, considerados os dois últimos anos, o país passou de um saldo de US$ 9,9 bilhões, em 2005, para US$ 7,8 bilhões negativos, em 2007. Uma inversão de US$ 17,7 bilhões. Mais grave que o déficit é a reprimarização da pauta de exportações. “Estaremos caminhando para a especialização em commodities se não forem rapidamente revistas as políticas que influenciam o comércio exterior de bens industriais, como as políticas de câmbio, tributação de exportações, políticas industriais, tecnológicas e para a área de infra-estrutura, acordos internacionais”, alerta o Iedi. O economista Plínio de Arruda Sampaio Júnior, da Universidade de Campinas (Unicamp), destaca que a liberalização cambial e financeira aumenta a dependência do Brasil em relação aos países ricos. E, do ponto de vista estrutural, resulta em “desindustrialização e desnacionalização da economia“.

Já no front interno, a Agência Câmara destaca que desde a posse do presidente Lula, em 2003, até novembro de 2007, o Brasil destinou mais de R$ 851 bilhões somente para o pagamento de juros nominais da dívida pública consolidada (interna e externa). O montante equivale a 22 vezes o que o governo federal previa arrecadar só em 2008 com a CPMF, extinta em 31 de dezembro de 2007.

Somente com o que foi reservado para o pagamento de juros em novembro do ano passado – R$ 12 bilhões – seria possível cobrir o valor empenhado para quatro programas do governo federal: Atenção Básica em Saúde, Brasil Escolarizado, Agricultura Familiar e Luz para Todos.

O economista Dércio Garcia Munhoz, da Universidade de Brasília (UnB), calcula que na realidade a conta de juros foi maior. “Há R$ 250 bilhões em poder do Banco Central (BC), cuja remuneração paga ao Tesouro é contabilizada como crédito, além de mais de R$ 20 bilhões que a União recebe dos estados e o superávit fiscal superior a R$ 50 bilhões. No final, tudo isso é pago pelo contribuinte”, contabiliza Munhoz, para quem não há como o governo conter a elevação da carga tributária.

Postado em Conjuntura, CPMF: e agora?, Desenvolvimento, EDITORIAIS, Política Econômica, Política Social | 3 Comentários »

Fim e recomeço

Postado em 25 dEurope/London janeiro dEurope/London 2008

Correio Braziliense 

25/1/2008

por Marcos Cintra

Doutor em Economia pela Universidade Harvard (EUA), é professor titular e vice-presidente da Fundação Getulio Vargas

Com o corte súbito de R$ 40 bilhões da CPMF, o governo federal tratou de implementar medidas para ajustar suas contas. Afinal, é impossível o poder público permanecer omisso à violenta redução de receita orçamentária como a praticada pelo Congresso. Como se previa, outros impostos foram aumentados (vide IOF e CSLL) e corre-se o risco de elevação do déficit público. Leia o resto do artigo »

Postado em CPMF: e agora?, O que deu na Imprensa, Política Econômica, Política Social | Sem Comentários »

ARRECADAÇÃO RECORDE AMENIZA IMPACTO DO FIM DA CPMF

Postado em 22 dEurope/London janeiro dEurope/London 2008

Leo Nunes – Ao Sul do Equador

São Paulo – O Jornal Valor Econômico traz uma reportagem (clique aqui só para assinantes) analisando o aumento de arrecadação do governo em 2007. Segundo a análise, o governo aumentou sua arrecadação em 2007 no montante de R$ 64,88 bilhões (12,19% em termos reais), valor superior aos R$ 40 bilhões arrecadados pela CPMF.

Mesmo assim, o governo vai ter que suar muito para rever a estrutura de gastos, pois a peça Orçamentária de 2008 foi elaborada levando em conta o aumento de arrecadação e a aprovação da CPMF (clique aqui para saber mais sobre o fim da CPMF). Portanto, cortes terão que ser feitos.

Ainda segundo a reportagem, os ganhos de arrecadação vieram para ficar, mesmo tendo em conta o caráter pró-cíclico da arrecadação, oriundo do sistema tributário brasileiro, no qual um quarto da arrecadação de impostos provém do faturamento das empresas. Por fim, ao que tudo indica, o governo deve ter, sobretudo, um problema político e não fiscal. A correlação de forças políticas deve decidir o embate de quem pagará a conta.

Postado em Conjuntura, CPMF: e agora?, Leonardo Nunes, Política Brasileira, Política Econômica, Rive Gauche | Sem Comentários »

LULA DEFENDE AUMENTO NA EFICIÊNCIA DA ARRECADAÇÃO

Postado em 21 dEurope/London janeiro dEurope/London 2008

Léo Nunes – Ao Sul do Equador

São Paulo – O Presidente Lula defendeu o aumento da eficiência na arrecadação de impostos no seu programa semanal de rádio “Café com o Presidente”. Segundo Lula, se todos pagarem impostos, todos pagarão menos. Como sabemos, o nível de sonegação no Brasil é considerável, o que pode ser agravado com o fim da CPMF (clique aqui para saber mais sobre a CPMF).

Como ressaltou o presidente, o crescimento da arrecadação é uma conseqüência natural do crescimento econômico, pois aumentam os salários, os lucros das empresas e o consumo de forma geral. Entretanto, deve-se lembrar que o governo ainda tem um rombo de R$ 30 bilhões para acertar. O fim da CPMF resultou numa perda de arrecadação de R$ 40 bilhões. Já as medidas tributárias do governo deverão trazer aos cofres da União R$ 10 bilhões (clique aqui para ler mais).

Portanto, resta saber qual o montante de recursos que este aumento da eficiência na arrecadação trará ao governo. Lula afirmou que fará cortes da ordem de R$ 20 bilhões. Falta mostrar claramente de onde virão estes cortes e em que medida a maior eficiência cobrirá o rombo em questão.

Postado em Conjuntura, CPMF: e agora?, Leonardo Nunes, Política Brasileira, Política Econômica, Rive Gauche | Sem Comentários »

IPTU x CÉSAR MAIA

Postado em 18 dEurope/London janeiro dEurope/London 2008

Gustavo Antônio Galvão dos Santos

Não nutro nenhuma simpatia pelo César Maia. Motivos não me faltam.

Entretanto, não vejo com bons olhos esse movimento contra o pagamento de IPTU. Isso me cheira muito a história contra a CPMF.

A CPMF era um imposto que incidia fortemente contra o patrimônio e era muito difícil de ser sonegado. Era, portanto, um dos poucos impostos progressivos do país. Imposto progressivo é aquele que incide relativamente mais sobre o rico do que sobre o pobre.

A CPMF era mais progressiva que os impostos sobre consumo ou valor agregado como ICMS, ISS, IPI, etc. Era também mais progressiva do que o imposto de renda, pois o patrimônio financeiro é mais concentrado do que a renda e porque os mais ricos que são os grandes sonegadores de imposto de renda. Os assalariados são tributados na fonte e não tem acesso aos mais famosos escritórios de advocacia. A CPMF ainda ajudava a combater a sonegação de imposto de renda daqueles que vivem do patrimônio.

Fizeram uma violenta campanha contra a CPMF e venceram.

O IPTU tem algumas características similares à CPMF. É certamente o imposto mais progressivo do país. E é muito difícil de ser sonegado…

Essa similitude entre os dois impostos nos leva a pensar. A sociedade é induzida a se revoltar “justamente” contra os impostos mais justos…

Se continuar assim, vamos acabar com um sistema tributário ainda mais injusto do que já é. Leia o resto do artigo »

Postado em Comentários sobre a Imprensa Brasileira, Conjuntura, CPMF: e agora?, Gustavo Santos, Política Econômica, Política Social | 11 Comentários »

Ainda a CPMF

Postado em 18 dEurope/London janeiro dEurope/London 2008

Folha de S. Paulo

17/1/2008

José Alencar

São muitas as preocupações, mas há uma de que não se tem falado nada, e é sobre ela que me permito falar. Trata-se da defesa nacional

O ORÇAMENTO sofreu um rombo. Coisa parecida com R$ 40 bilhões. O equilíbrio orçamentário é absolutamente essencial para a estabilidade da moeda. Mas o rombo está posto. Quarenta bilhões de reais. Leia o resto do artigo »

Postado em CPMF: e agora?, Desenvolvimento, O que deu na Imprensa, Política Brasileira | Sem Comentários »

Ricos, pobres e a CPMF

Postado em 16 dEurope/London janeiro dEurope/London 2008

 As oligarquias descendem de senhores de engenho e conservavam poder trocando votos por comida. Ações como Bolsa Família, ProUni e acesso à saúde as condenam ao desaparecimento

Por Mauro Santayana

  

Senadores da oposição comemoram o fim da CPMF 

Três fatos encerraram o ano: a votação insuficiente para a prorrogação da CPMF no Senado (faltaram quatro votos), o aumento da confiança do país em Lula, segundo o Ibope, e a revelação, pela Folha de S.Paulo, de que 20 milhões de brasileiros deixaram as classes E e D, migrando para a classe C.

Leia o resto do artigo »

Postado em Conjuntura, CPMF: e agora?, O que deu na Imprensa, Política Brasileira, Política Econômica, Política Social | Sem Comentários »