prozac 40mg popliteal celexa 20mg cardiac concurrent clonidine 0.1mg test recovery buy exelon Healthy stories buyneurontinonlinehere.com buying abilify online school lipitor online no rx deoxyribonucleic

Blog do Desemprego Zero

A eleição presidencial e os seus riscos

Escrito por Rogério Lessa, postado em 13 dEurope/London maio dEurope/London 2010 Imprimir Enviar para Amigo

Paulo Passarinho

Formalmente, não entramos ainda na fase de campanha eleitoral. Mas, levando-se em conta a legislação, temos os chamados pré-candidatos e, particularmente, os candidatos extra-oficiais, arbitrados pela imprensa dominante. As páginas dos jornais de grande circulação, os telejornais e outros programas televisivos, além de estações de rádios, já deram início à fase de cobertura jornalística da dita corrida presidencial, restringindo a disputa a apenas três postulantes à presidência da República.

Dilma Rousef, José Serra e Marina Silva foram os eleitos pelo oligopólio que controla a mídia, coerente com os interesses de quem financia predominantemente esses meios de comunicação, e que, coincidentemente, também se constituem como os principais financiadores das campanhas eleitorais. São bancos, construtoras, seguradoras, mineradoras, siderúrgicas, empresas ligadas ao agronegócio, além de transnacionais de outras áreas.

Esses setores vão jogar dinheiro nesses candidatos, pois todos eles oferecem sólidas garantias de manutenção de todo o arcabouço jurídico-institucional que se construiu no país, a partir dos governos de FHC, bem como da política macroeconômica sob controle de bancos e instituições financeiras.

Desses três diferentes candidatos, duas são mulheres – ex-ministras do governo Lula – e o outro é o tucano postulante à presidência, já derrotado uma vez, em 2002.

Dilma é a candidata do governo; Serra seria a oposição à direita; e Marina, correndo por fora, a alternativa verde, com seu programa eco-capitalista, independentemente do que possamos entender o que isso significa.

Para os mais críticos, essa disputa teria uma natureza meio Lexotan, possibilitando doses cavalares de sono, além da garantia – já percebida pelos financiadores de campanha – de que tudo, em suas linhas gerais, continuará na mais perfeita ordem dos que dominam o país.

Contudo, muitas vezes o inusitado acontece, nem que seja por conta do próprio sono ou pelo horário matinal das entrevistas realizadas com esses candidatos.

Foi o que ocorreu com o tucano Serra, nesta última segunda-feira, dia 10 de maio.

Entrevistado pela rádio CBN, de propriedade das Organizações Globo, Serra se envolveu em uma discussão com a jornalista Miriam Leitão, por conta de suas opiniões em relação ao Banco Central, espécie de bunker da política econômica recomendada pelos tais setores dominantes, financiadores da mídia e dos políticos de confiança do mundo do capital.

Serra criticou a condução da política monetária, as altas taxas de juros, e especialmente a ação do Banco Central, no segundo semestre de 2008, em meio à crise financeira global.

Questionado pela jornalista se, caso eleito, iria respeitar a autonomia do Banco Central, Serra se mostrou bastante irritado, respondendo que seria uma grande bobagem um presidente observar que o seu banco central erra e nada fazer. O tucano chegou a afirmar que “o Banco Central não é a Santa Sé” – como que suas medidas não pudessem ser questionadas -, ponderando, entretanto, que isso não significa não dar condições de autonomia e trabalho à instituição.

Foi o suficiente para que as editorias dos jornais encontrassem, nessas declarações, a centelha que faltaria para esquentar o debate entre os presidenciáveis eleitos pelos donos da mídia dominante. O jornal O Globo chegou a estampar uma manchete, no dia seguinte à entrevista, veiculando o brado de Serra de que Igreja e Banco Central não devem ser confundidos.

Esforço em vão e destaque imerecido. Na própria segunda-feira, na parte da tarde, Serra já procurava esclarecer a sua posição, afirmando que a sua relação com o Banco Central, caso ele venha a ganhar as eleições, seria idêntica à conduta assumida por FHC e Lula frente à instituição. E aproveitou a ocasião para atribuir ao horário da entrevista na rádio CBN – 8h da manhã – a sua irritação, ou falta de bom humor, nas respostas dadas à jornalista da emissora, de quem se declarou “um grande admirador”.

Será difícil, assim, a imprensa dominante tentar esquentar a polêmica entre os seus candidatos, a partir da oralidade de Serra.

O dado curioso dessa falsa polêmica foi a rapidez com que as ex-ministras de Lula – Marina e Dilma – procuraram se posicionar, afastando qualquer tentativa de crítica à atuação do Banco Central. A “alternativa” Marina, não somente destacou que “a experiência brasileira mostra que foi acertada a autonomia do Banco Central”, como aproveitou para defender o tripé da política macroeconômica: superávit primário, câmbio flutuante e metas de controle de inflação.

A depender dos três candidatos da mídia dominante, além do palpitante clima Lexotan da campanha, teremos esse mantra liberal a embalá-la. Haja resistência a tanta mesmice!

Porém, a vida pelo mundo afora nos mostra que essas certezas desses três candidatos – com relação à predominância do setor financeiro na condução dos nossos destinos – pode nos produzir surpresas desagradáveis.

A crise financeira global, que para muitos já havia se dissipado, após as instabilidades do segundo semestre de 2008, voltou a se manifestar com vigor. O continente europeu, sacudido pela crise na Grécia, sente que os prejuízos dos seus bancos – e de bancos americanos, também – não ficarão restritos à Atenas. Depois de um pacote de 110 bilhões de euros, articulado conjuntamente pela União Européia e pelo FMI – para salvar bancos, e não os gregos, e onde até o Brasil foi convocado a dar a sua contribuição – uma outra vultosa operação financeira foi engendrada. No montante de 750 bilhões de euros, agora voltado para a cobertura dos demais países europeus, com dificuldades de pagamento frente aos seus diligentes credores, linhas de financiamentos para a garantia de novos empréstimos e recursos para um fundo de estabilização e para operações de crédito foram as medidas anunciadas.

Na Grécia, a crise já transborda para a esfera política, e em outros países europeus, como é o caso da Espanha, Portugal, Irlanda e Itália o caminho poderá ser o mesmo. Na Espanha – onde os seus bancos tem estreitos negócios com o Brasil -, o anúncio de um pacote de medidas fiscais, que incluem corte de salários e de investimentos, além de congelamento de aposentadorias e direitos sociais, fará com que ações de resistência da população afetada venham a ser cada vez mais fortes.

A grande questão será a capacidade que os setores de esquerda desses países terão – ou não – de saberem traduzir as angústias das ruas e das fábricas em programas de ação e políticas de Estado capazes de oferecer soluções para a crise, de acordo com os interesses dos trabalhadores, e não dos financistas.

Nos anos 1930, a crise capitalista empurrou a ascensão de partidos de direita – inclusive o Nazista, na Alemanha – ao poder, em vários países da Europa. Agora, com uma social-democracia que já se rendeu ao neoliberalismo há muitos anos, urge que uma esquerda renovada, combativa e sensível aos dilemas do dia-a-dia do povo – e não apenas a doutrinas ideológicas, muitas vezes ultrapassadas ou inócuas – se coloque como protagonista da luta, política, econômica e cultural – de massas.

Aqui no Brasil, por outro lado, vivemos a oportunista e alienada euforia que a maior parte da ex-esquerda assume, com o aparente sucesso dos efeitos do modelo liberal-periférico, e a popularidade de Lula. Neste quadro, a fragmentação da esquerda brasileira – que não se rendeu à guinada política e ideológica do Partido dos Trabalhadores – na disputa presidencial desse ano não é um bom indício. Nem, tampouco, se pautar – como linha de intervenção de suas diferentes candidaturas – na combinação da denúncia das mazelas sociais e econômicas em que vivemos, com a mera propaganda ideológica de um socialismo futuro e abstrato.



  Imprimir  Enviar para Amigo  Adicionar ao Rec6 Adicionar ao Ueba Adicionar ao Linkto Adicionar ao Dihitt Adicionar ao del.icio.us Adicionar ao Linkk Adicionar ao Digg Adicionar ao Link Loko  Adicionar ao Google Adicionar aos Bookmarks do Blogblogs 

« VOLTAR

2 Respostas para “A eleição presidencial e os seus riscos”

  1. Marúcia Cabral falou:

    Rogério, um excelente complemento ao seu artigo é este da Carta Maior:
    http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=16594

    Ali diz de forma resumida que a questão verdadeiramente estrutural que distingue Serra e Dilma é de natureza histórica, não retórica. Ainda que o José Serra critique, corretamente, a ortodoxia encastelada no Banco Central que subiu a taxa de juros em abril de 2008, quando a crise internacional já campeava solta nos mercados financeiros e requeria um ajuste de sentido exatamente oposto.

  2. EMERSON falou:

    Concordo com as premissas e a linha geral do artigo-post. Apenas discordo da classificação atribuídas aos principais pré-candidatos. O Serra não esta a direita da candidata do governo. Muito pelo contrário. Esta à esquerda. Alias, como o próprio post coloca, até agora, foi o único que arriscou uma critica a ortodoxia monetária que domina o Pais desde o governo FHC, onde ele próprio era contrário, continuada e aprofundada no governo Lula.

Faça um comentário

XHTML: Você pode usar essas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>