Presidente da Renault/Nissan afirma que nova taxação para carros importados contribui para o desenvolvimento do Brasil

Presidenta Dilma Rousseff recebe em audiência o presidente mundial da Renault/Nissan, Carlos Ghosn. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

O presidente mundial da Renault/Nissan, Carlos Ghosn, afirmou neste sábado (1/10) que considera totalmente razoável a medida anunciada pelo governo federal de aumentar o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para carros que não tenham pelo menos 65% de conteúdo nacional. Carlos Ghosn concedeu entrevista coletiva no Palácio do Planalto, após encontro com a presidenta Dilma Rousseff em que anunciou novos investimentos da empresa no Brasil.

“A decisão do governo de aumento de IPI é um incentivo para as montadoras produzirem localmente, sem nenhuma dúvida. Não só de produzir localmente, mas também de ter uma taxa de localização acima de 65%, o que é uma taxa de localização totalmente normal. Para dar um exemplo, a taxa de localização na China é de 90%, a taxa de localização na Índia é de 90%. Então 65% de conteúdo local é um nível que nós consideramos totalmente razoável para quem quer realmente contribuir para o desenvolvimento do Brasil.”

Ghosn destacou o potencial crescente do mercado brasileiros para a indústria automobilística e informou que a Renault/Nissan pretende ampliar as vendas no país, saindo dos atuais 6,5 % de participação no mercado para mais de 13% até 2016. Para isso, ele assegurou forte ampliação da oferta de veículos e preços “bem acessíveis” ao consumidor.

“Hoje nós consideramos o Brasil, que é o quarto mercado mundial automobilístico, como um dos mercados mais estratégicos em termos de desenvolvimento em quantidade, mas também de desenvolvimento tecnológico”, afirmou.

Nova fábrica – O presidente mundial do grupo confirmou investimentos na ampliação da fábrica da Renaut em São José dos Pinhais, no Paraná, e a construção de uma fábrica da Nissan em Resende, no estado do Rio de Janeiro. Nesta semana, a empresa irá anunciar os investimentos para a ampliação e construção das fábricas, bem como o número de empregos que serão criados.

Ghosn disse, ainda, que a reunião com a presidenta Dilma foi um oportunidade para informá-la da atuação da Renaut/Nissan no mundo, especialmente em “termos de desenvolvimentos de carros elétricos”. Sobre esse tema, o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aloizio Mercadante – que participou da coletiva ao lado dos governadores Sérgio Cabral, do Rio de Janeiro, e Beto Richa, do Paraná; e dos prefeitos José Rechuan Júnior, de Resende (RJ), e Ivan Rodrigues, de São José dos Pinhais (PR) – informou que a presidenta Dilma solicitou um estudo para verificar a possibilidade de participação do carro elétrico na matriz de transporte brasileira.

“Ainda não há decisão do governo sobre isso, mas temos o compromisso de estudar”, completou o ministro.

Fonte: http://blog.planalto.gov.br/

 

Sobre Carlos Ferreira

Engenheiro, com especialização em Políticas Públicas e Governo pela EPPG-IUPERJ. Atuando na área de Energia Nuclear. Membro do Conselho Diretor e do Conselho Editorial do Clube de Engenharia. Conselheiro do CREA-RJ, período 2005 a 2007.
Esta entrada foi publicada em Brasil, Indústria, Politica, Tecnologia e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>