A baleia branca de Rodolfo Landim

11 Flares Twitter 0 Facebook 11 Filament.io 11 Flares ×

da Piauí

O ex-executivo de Eike Batista julga ser responsável por parte considerável do sucesso empresarial do homem mais rico do Brasil. Agora, com a obstinação de quem não gosta de perder nem pelada, parte para buscar o que considera seu

por Luiz Maklouf Carvalho

Tem pai que coloca filho em aula de artes marciais para que ele aprenda a lutar. Com o engenheiro Jaderico Machado foi diferente. “Você vai entrar no jiu-jítsu para perder o medo de apanhar”, disse ao filho do meio, Rodolfo, quando este tinha seus 8 anos. Era ali pelo meio dos anos 60, no Rio de Janeiro. Duas vezes por semana, até os 13, Rodolfo foi à academia dar a cara para bater. Hoje, com seus bem dispostos 53 anos, olhos azuis irrequietos e a voz quase sempre alguns tons acima, o engenheiro especializado em petróleo, empresário e investidor Luiz Rodolfo Landim Machado, mais conhecido pelos dois nomes do meio, diz: “Aprender a não ter medo de apanhar, como eu aprendi, impede você de ser covarde.” Depois de dois goles na limonada que a empregada acabou de servir no terraço do apartamento de São Conrado, Zona Sul do Rio, completou: “Não existe situação na vida em que eu vá me acovardar. Se passar a mão na minha bunda, vai tomar uma porrada. Seja do tamanho que for.”

Referia-se ao 1,80 metro de altura e 40 bilhões de dólares no bolso do empresário Eike Batista, seu ex-patrão e atual desafeto, com quem ficou rico e a quem está processando. Ficará estimados 270 milhões de dólares mais rico se ganhar a causa – mas afirma que não é esse o busílis. “A questão é de honra, de princípio, e eu sou um homem de princípios”, disse, grifando os termos. Era um fim de tarde de dezembro.

Em outro fim de tarde do mesmo mês, o advogado Flávio Godinho se sentou numa confortável poltrona na sala de reuniões de seu patrão, o empresário Eike Batista. Fica no 10º andar de um edifício na Praia do Flamengo e parece que a Baía da Guanabara está ali dentro. Godinho é um dos executivos mais próximos do dono do grupo EBX, que reúne cinco empresas de capital aberto – OGX (petróleo e gás), MPX (energia), LLX (logística), MMX (mineração) e OSX (estaleiros) – e valia em dezembro, na Bolsa de Valores, coisa de 82 bilhões de reais ou 48 bilhões de dólares. (Quando o mercado estimava em 27 bilhões de dólares o valor do grupo, Eike Batista entrou na lista dos homens mais ricos da revista Forbes em oitavo lugar. Achou que merecia mais e protestou, por carta, dizendo que a revista tinha usado critérios de avaliação errados.) De costas para a paisagem, Godinho deu uma risada quando ouviu a frase de Landim sobre honra e princípio. Depois disse, falando grosso: “A questão do Rodolfo é só dinheiro, a que não tem nenhum direito. O Eike o fez milionário. Ele devia estar na praia, curtindo a vida, muito grato, e não cuspindo no prato que comeu.”

O que não está em disputa é o fato de o conglomerado de Batista ter aumentado exponencialmente de valor durante os anos em que ele e Landim trabalharam lado a lado. Quando se juntou a Batista, a empresa pioneira do grupo, MMX, estava cotada em 600 milhões de reais. Quando Landim rompeu com Batista, quatro anos depois, o conglomerado estava estimado em 82,4 bilhões de reais, uma valorização de 13 700%.

Como se sabe, o capitão Ahab jura não dar trégua a Moby Dick, a grande baleia branca que lhe arrancou a perna no livro homônimo de Herman Melville. A energia e convicção com que Landim se dedica a reaver o que considera seu mostram que Eike Batista virou a sua baleia branca. Ao ouvir a comparação, o engenheiro deu um sorriso, pensou um pouco, e afirmou: “Eu é que sou a baleia branca. O Eike quer me destruir.”

Por trás da disputa judicial em torno de uma verdadeira fortuna, está uma briga tão ou mais crucial para os contendores, e muito mais difícil de ser arbitrada pois envolve valores intangíveis, medidos não em moeda sonante, mas em reconhecimento frente aos pares: de quem, afinal, é o mérito pelo sucesso de Eike Batista?

Os Landim Machado eram uma família de classe média alta. Moravam num bom apartamento em Copacabana, na quadra da praia, e tinham sítio em Araras, na região serrana do estado. Jaderico Pires Ferreira Machado – com senadores na árvore genealógica – era dono de uma ativa firma de construção civil. Perfil conservador, do tipo daqueles pais que diziam, rabugentos, “primeiro o dever de casa, depois a diversão”. Dona Maria Augusta, a mãe, foi professora de francês e de literatura. O avô materno, José Ferreira Landim, era diretor de liceu, e o neto vivia lá, cercado de livros e do entusiasmo do avô por um time que não o Fluminense de sua casa. Foi assim que acabou flamenguista fanático. O pai se foi em 1993, com 72 anos. Com a mãe, de 82, ele fala todo dia, e às vezes mais de uma vez.

Em 1975, segundo ano da ditadura Ernesto Geisel, Landim entrou para a Faculdade de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, a ufrj. Colou grau em 1979, primeiro ano de Figueiredo. Mais estudou do que fez política estudantil. “Eu sempre fui de centro”, diz. Bom aluno, foi monitor na cadeira de Hidráulica, com estágios na Eletrobrás e em Furnas. Tinha um carro – “Se aquele Passat falasse…” –, e do que gostava mesmo era viver a vida e jogar bola. “Fui da seleção da UFRJ”, conta, de peito estufado.

Homem de muitas amigas fiéis, não foi de muitas namoradas. Casou-se com uma delas, Denise Provenzano, também da engenharia da UFRJ, um ano depois de formado, em 1981. Foram morar em Copacabana, num apartamento presenteado pelo pai dela. Depois de trabalhar numa firma de engenharia, a Promon, Landim já tinha entrado para a Petrobras, por concurso público, em fevereiro de 1980. Faria 23 anos no mês seguinte. A estatal vivia o 27º ano de monopólio na exploração, produção, refino e transporte do petróleo. Pelos próximos 26 anos, o engenheiro ficaria lá.

Landim fez o curso de engenharia de reservatório, ministrado por especialistas que a Petrobras trazia do exterior. Cabe ao engenheiro de reservatórios simular, através de modelos matemáticos, como se dará a vida produtiva da jazida, e o número de poços que maximizam a rentabilidade do projeto de produção. Os estudos gerados por esses profissionais são a base para o dimensionamento adequado das instalações, aí incluído o número de plataformas. Foi isso que ele fez nos primeiros anos. Em 1985, a estatal o mandou para Alberta, no Canadá, fazer outro curso de especialização.

O casamento não resistiu à crise dos sete anos. Acabou, por inanição e sem maiores dramas, em 1988. Flávio, o filho, ia fazer 2 anos. O ex-casal cuidou para que o choque fosse o menor possível. Seu chefe, na companhia, era um Gabrielli (Milton Luiz, já falecido), que ele admirava e considerava um segundo pai – de um outro, que é o presidente atual, já não gosta tanto, como se verá adiante. De chefe da Engenharia de Reservatórios, foi promovido a superintendente de Produção da Região Nordeste. Com campos em terra (onshore) e no mar (offshore), representava a terceira área mais produtiva da estatal, com 70 mil barris por dia. A missão de Landim era revitalizar os campos algo declinantes, para otimizar a produção. Sentou praça na sede de Aracaju.

Um pôster de uma plataforma marítima no Campo Marlim Sul, Bacia de Campos, diminui a insipidez de uma sala de reuniões no Ministério de Minas e Energia. É um dos lugares onde despacha o engenheiro Marco Antônio Martins Almeida, secretário de Petróleo, Gás natural e Combustíveis Renováveis. Landim foi chefe de Almeida nos tempos de Aracaju, quando era engenheiro de produção do então maior campo de terra do país, em Carmópolis. “Ele trouxe um novo estilo – aboliu o terno, por exemplo – e novas ideias de gestão, com destaque para a franqueza e a cobrança de metas, muito rigorosa”, lembrou-se o secretário. “O Rodolfo é muito determinado nas coisas que faz. Sabe ouvir, mas é difícil demovê-lo de uma coisa quando ele está convencido.” Landim encontrou sua segunda mulher, Ângela, a Gita, em Aracaju. Ela dirigia uma pousada da família na praia do Atalaia. Recebeu Flávio como filho e não teve crise com a primeira mulher Denise (nem vice-versa).

Três anos e meio depois, em julho de 1992, a Petrobras o promoveu mais uma vez. Ele foi despachado para a região Norte, como superintendente-geral. Gita o acompanhou. A base foi Belém, com um frequente vaivém de Landim para as longínquas regiões de produção, entre elas o Campo de Urucu. “Era que nem macaco namorando girafa: sobe para dar um beijinho, e desce pra pegar na mão. Uma canseira.” Numa região em que as distâncias e a infraestrutura carente dificultavam e encareciam a logística, o desafio era principalmente o de cortar custos operacionais. Não se furtou a trombar com a área sindical. “Eu defendia com empenho os interesses da companhia – e era o cara que dizia não. Como é que eles iam gostar de mim?”, explicou.

Landim voltou para a sede, no Rio de Janeiro, em março de 1994. A estatal já ia pelo seu 28º presidente – Joel Mendes Rennó, em seu primeiro mandato (governo Itamar Franco). Já soava mais alto a batucada contra o monopólio. Como a grande maioria de seus colegas, Landim não dava ouvidos. Continuava passivamente monopolista – muito diferente de técnicos ferrenhamente nacionalistas como, por exemplo, Guilherme Estrella, àquela altura já se aposentando para começar uma militância no PT. Landim participou de um grupo técnico que discutiu, pioneiramente, a exploração do petróleo em águas profundas, abaixo de 500 metros, na Bacia de Campos. Os três primeiros campos que foram implantados – Marlim, Albacora e Barracuda – começaram a nascer aí. Claramente valia a pena investir naquele jovem engenheiro. No segundo semestre de 1994, a companhia o mandou para um MBA de seis meses na Harvard Business School.

Na entrada da sede da EBX, a holding de Batista na Praia do Flamengo, uma árvore de Natal com bolas vermelhas e prateadas divide o espaço com poltronas largas de espaldar alto, fotos de instalações industriais e quinze bandeiras de estados brasileiros, enfileiradas nos mastros, numa parede ao fundo. Dali é que se entra para a sala de reuniões com a bela visão da Baía da Guanabara. A távola de madeira maciça tem doze lugares e, ao contrário da mais famosa, é oval. Flávio Godinho já brigou feio com seu chefe no passado – até de ter suas coisas jogadas porta afora, numa das piores saídas do sério do milionário temperamental. Mas faz tempo que se reconciliaram. Desde então, mais que  diretor de novos negócios, ele é o que se chama de braço direito; não o único, nem o mais importante, mas dos poucos. Veste blazer preto sobre camisa preta, sem gravata.

Está ali, a pedido do seu chefe, para desmontar Landim e contestar as afirmações que este fez ao repórter a respeito de Eike Batista. Mesmo as coisas menores não passarão em branco. Landim conta, por exemplo, que ali mesmo, no 10º andar da távola oval, cansou de ouvir Batista incentivar seus executivos aos gritos de Greed is good! Greed is good! [A ganância é boa], frase que ganhou a imortalidade no filme Wall Street, de Oliver Stone. “Nunca ouvi o Eike dizer Greed is good”, corrigiu Godinho.

Certo. E que tal esta, que, segundo Landim, o patrão sempre desfiava: ao morrer, a alma santificada encontrará na porta do céu ou do inferno a placa It’s all about money [O que interessa é o dinheiro]. “Está distorcido”, conserta mais uma vez o revisor de Batista. “O que ele diz, em tom de crítica, é que essa frase estará escrita no inferno, para quem for ganancioso. O Landim fica dizendo que o Eike é um sujeito frio e calculista, que o traiu por causa de dinheiro. Isso é um factoide que ele criou, para não ter que dizer que foi demitido por incompetência. A vaidade do Landim não suporta isso.” Depois de um suspiro, veio mais: “Uma das principais características, tanto do Eike, como do pai dele, o Eliezer, é a humildade. O pai usa a mesma gravata. Até diz, brincando, que é um gravanapo. Então, a cultura da casa é de humildade.”

Godinho tem ao seu lado, de terno e gravata – num cargo que já foi de Landim –, o diretor-geral da OGX, o geólogo Paulo Mendonça, português naturalizado que nunca perdeu nem perderá o sotaque. Dos seus 60 anos, 35 foram passados na Petrobras. Até aquele fim de tarde, o mundo pensava que Landim é que o tinha levado para Eike Batista –  o geólogo e todo o conhecimento técnico que acumulou em quase quatro décadas naquela casa. Para alguns funcionários antigos da Petrobras, a defecção de Paulo Mendonça para a iniciativa privada, pelas mãos de Landim, representava um dos grandes episódios de traição da história da estatal. Nem uma coisa, nem outra, disse o geólogo. As  informações que trouxe consigo estavam disponíveis a quem quisesse consultá-las na Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Quanto a sua vinda, “o Landim apenas me apresentou para o Eike. O resto foi o Eike que fez”. Sempre olhando para Godinho, para ver se ele aprovava suas palavras, Mendonça não se poupou: “Aqui tem uma figura fundamental, companheiro: Eike Batista. Ele é o diferencial. Nós, com todo o nosso conhecimento, a nossa tecnologia, não seríamos nada se não tivéssemos o dinheiro, o milhão de dólar, o ‘bota aí’. Eu sou amigo do Rodolfo, mas aqui no grupo há uma frase que o define bem: ‘O Landim, de cada dez minutos que fala, quinze é sobre ele.’”

Quando voltou de Harvard, no final de 1994, Landim tornou-se o Chepot da área nobre da produção da Petrobras – a Bacia de Campos (85% da produção brasileira, na época com trinta plataformas e 7 mil trabalhadores). No dialeto petroleiro de lá, Chepot significa “Chefe da Porra Toda”. Era a primeira vez que a região de Campos tinha um gerente-geral de Exploração e Produção. Antes, eram três. “O primeiro Chepot fui eu, porra”, disse Landim, orgulhoso. Com Gita do lado, e Flávio sempre às voltas, mudaram-se para Macaé. Foi o cargo de que mais gostou, até hoje.

Nelson Guitti, também engenheiro, é mais um egresso da Petrobras a ter ficado rico trabalhando para Eike Batista. Guitti é um carioca simpático de 49 anos. Dirige um carro blindado e gosta de tomar café da manhã numa boa casa da Zona Sul. Tinha onze anos de Petrobras quando conheceu Landim. A sua parte, na Porra Toda, era a área de engenharia submarina, que gerenciava. “Tinha muita briga quando eram três gerentes. O Rodolfo criou um clima de camaradagem, agregou pessoas certas nas posições certas, e revigorou o ânimo”, disse Guitti passando manteiga no pão crocante.

Revigorou também, mas contra si, o ânimo do aguerrido Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense, com sede em Macaé. Numa greve que entrou para a história, em maio de 1995, Landim tratou os grevistas sem muito jogo de cintura. Até plataforma marítima ocupada, no Campo de Enchova, ele retomou. Para os dirigentes sindicais, entre eles o geólogo Henyo Barreto – hoje um dos assessores especiais do presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli –, o apelido de Chepot ganhou mais três letras: FDP.

Em 1997, no primeiro governo Fernando Henrique, a batucada antimonopólio entrou na avenida e ganhou o desfile. Landim não comemorou, mas achou que o novo regime combinava melhor com as ideias que tinha. Joel Rennó estava no segundo mandato. Ele não é amigo de Landim, como Nelson Guitti, mas também faz uma avaliação positiva do período em que conviveram na Petrobras. “Ele era dedicado e competente”, disse, com mineira tranquilidade em seu sóbrio escritório no bairro de Ipanema.

O diretor de Exploração e Produção de Rennó, chefe direto de Landim, era o geólogo José Coutinho Barbosa. Em abril de 1999, ele subiu o Chepot para gerente executivo de Produção e Exploração do Sul e Sudeste. “Ele havia feito um bom trabalho em Campos. É um sujeito inteligente, íntegro, trabalhador e muito obediente à hierarquia”, disse Coutinho na sala de reuniões da consultoria que criou depois de passar 37 anos na Petrobras, chegando inclusive à presidência da estatal, em sucessão a Rennó.

Foi por sua vez sucedido por um presidente que não sabia nada do ramo, o francês naturalizado brasileiro Philippe Reichstul. “Eu não entendia xongas de petróleo”, disse o próprio, na sala de seu escritório numa rua tranquila do bairro de Pinheiros, Zona Oeste de São Paulo. Mas era banqueiro, entendia de gente, conhecia os segredos do mercado, os entraves dos monopólios e os caminhos para sepultá-los. Foi o suficiente para que o presidente Fernando Henrique ignorasse completamente o xongas. Goste-se ou não do que fez – os nacionalistas como Guilherme Estrella, por exemplo, não gostaram –, Reichstul operou uma revolução na gestão da Petrobras. Abriu as caixas-pretas que pôde abrir, preparou-a para jogar com a concorrência e até extrapolou, querendo acrescentar um X no santo nome da ex-estatal, que viraria Petrobrax. Foi em vão – e até hoje lhe custa alfinetadas. (Caso queira, poderá sempre dizer que foi o primeiro a ter a ideia de pingar um X no nome de uma petroleira.)

Landim caiu-lhe nas graças durante a primeira grande desgraça que enfrentou: o assustador vazamento de 1,3 milhão de litros de óleo na Baía da Guanabara, em janeiro de 2000, tido até hoje como o primeiro desastre de grandes proporções na história da companhia. Coutinho o indicou a Reichstul quando este pediu um gerente capaz de pilotar a crise. “Temos o Rodolfo Landim, mas ele está de férias em Aracaju”, disse. Desenhou a figura – e o presidente que não entendia xongas de petróleo, quanto mais de vazamento gigante, pediu que o chamassem.

O engenheiro retornou o mais rápido que pôde e, sob a direção de Reichstul, coordenou não só a gigantesca e complexa operação de limpeza, como também a difícil negociação com a população diretamente prejudicada. “A transparência com que assumimos a culpa foi uma mudança de paradigma no tratamento das questões do meio ambiente”, disse Reichstul. “O Rodolfo soube assumir a responsabilidade e fazer o melhor possível. E nunca perdemos o bom humor, nem nos piores momentos.”

Rodolfo Landim e Eike Batista se encontraram pela primeira vez no final de 2002, em um almoço de trabalho num restaurante de massas e frutos do mar da Praia do Flamengo. O primeiro era presidente da Gaspetro, subsidiária da Petrobras na complicadíssima área de gás natural, para onde Reichstul o havia guindado. Seu chefe direto era o hoje senador petista Delcídio Amaral. No almoço, a pauta foi um contrato entre a Gaspetro e a chamada “TermoLuma” – uma usina térmica no Ceará, assim alcunhada, por parte da imprensa, pelo fato de Batista, à época, ser mais conhecido como o marido da modelo Luma de Oliveira. Landim não lembrou o assunto específico, mas disse que foi uma conversa cordial e produtiva.

Foi na Gaspetro que Rodolfo Landim conheceu a hoje presidente da República, Dilma Rousseff. Ela era, então, secretária de Energia do governo do petista Olívio Dutra, no Rio Grande do Sul. Queria fazer um gasoduto do qual ele discordou. Bateram cabeça em diversas reuniões – mas gostaram um do outro. “O Rodolfo era um dos profissionais mais talentosos e bem preparados da Petrobras”, disse Delcídio Amaral numa sala da Biblioteca do Senado. Acabava de ser reeleito e estava no sétimo céu. “A campanha foi linda”, ainda vibrava. Eike Batista foi um doador expressivo, tendo contribuído com 500 mil reais. “Sou amigo dos dois”, disse o senador, antes de tornar a falar de Landim. “Ele trabalhava muito, conhecia os problemas a fundo. Era muito by the book e não fazia nada se não estivesse convicto. Um tipo de sujeito que não é qualquer um que pode comandar.”

De fato. Landim faz a seu jeito e é obcecado em vencer. Ele, Nelson Guitti e o também engenheiro Sérgio Bandeira de Mello, ou Gico, até hoje na Petrobras, foram, por muito tempo, um trio inseparável e assíduo no futebol soçaite. Jogaram em muitos campos, um deles na arena do sítio de Araras, onde os três irmãos Landim Machado – Fred, Rodolfo e Pedro –, se digladiavam e xingavam a própria mãe. O campo mais famoso, entretanto, foi o do compositor e escritor Chico Buarque de Holanda – o Politheama, na Barra da Tijuca. Chico acha-se um bom jogador. Landim também – no futebol como em tudo o mais. Costuma desconsiderar essa história de cintura pra cima e de cintura pra baixo. “Ele pega mesmo”, disse Gico. “Eu admito que é mais transpiração do que inspiração”, concedeu Landim. Chico vinha, na vaga geometria, uma firula exata pra cá, um belo parafuso pra lá, e quando ia emplacar a pintura na pinacoteca, Landim abateu-se sobre ele. “Nem foi falta”, disse o empresário. O juiz achou diferente. Vinicius França, empresário do compositor, entrou no campo com os braços agitados, admoestando: “Não pode encostar no Chico! Não pode encostar no Chico! Todo mundo foi avisado!” É que os frequentadores do Politheama, antes, são informados de algumas regras especiais. Os adversários não podem se aproximar de Chico além da distância de um metro e meio. “É um campo de força”, disse Gico, entre risadas. “Assim, qualquer um joga bem”, aduziu Guitti. “E nem foi falta”, repetiu Landim.

No começo do governo Lula, com o apoio da ministra das Minas e Energia, Landim assumiu a presidência da Petrobras Distribuidora, a subsidiária gigante na área de comercialização. Tinha currículo para esperar mais – a diretoria de Exploração e Produção, por exemplo, assumida por Guilherme Estrella, resgatado da aposentadoria pelo PT – mas gostou. “Vibrei com o desafio”, disse. O presidente Lula o conheceu em seu gabinete, durante uma reunião de trabalho em 2003 e achou que a BR estava em boas mãos. No começo de 2005, quando se avizinhava a troca da presidência da Petrobras – Dutra ia sair em campanha, candidato a senador –
o nome de Landim começou a aparecer, em notas na imprensa, entre os cotados com bons cacifes. “É óbvio que se eu fosse convidado seria um orgulho”, disse, na sala de sua nova empresa, que ocupa o andar inteiro de um prédio de Botafogo.

“Ele tinha todas as condições, seria o coroamento de uma carreira brilhante”, disse o senador Delcídio Amaral, que então debutava no primeiro mandato. O que houve, então? Amaral se ajeitou na cadeira e aprumou a voz: “Houve que a Petrobras tem um sujeito chamado Henyo Barreto, com H e Y, imagine só. É o rei do dossiê. Foi ele que pilotou a queimação.” Vem a ser o geólogo e líder sindical que agregou aquelas três consoantes ao nome do Chepot da Bacia de Campos. (Barreto não quis dar entrevista.) Landim dispensou comentário específico. Mas disse: “É notório que a área sindical não gosta de quem negocia em nome do patrão. E é notório que circulou um dossiê com acusações que o TCU rejeitou.” Os documentos acusavam o engenheiro de gastos administrativos irregulares. Landim não gostou. A chateação cresceu quando soube que seu nome fora lembrado pelo presidente Lula, quando Dutra tratou da sucessão na Petrobras. Ao ouvir o nome de Gabrielli, que Dutra indicara, respaldado por negociação do partido, o presidente perguntou se Landim não seria outra boa alternativa.

Poder-se-ia imaginar que o senador Amaral, do partido do governo, trabalharia para que Landim, cuja excelência profissional reconhece, permanecesse no sistema Petrobras, tão defendido pelo PT. Não foi assim. “Eu é que fiz a primeira ponte para o Landim ir pro Eike”, contou, orgulhoso, entre uma foto e outra com prefeitos que o procuravam na Biblioteca Luiz Viana Filho. Aconteceu assim: Batista vinha ligando insistentemente para o presidente da BR, mas não passava das secretárias. Pediu, então, ajuda ao senador. Amaral ligou para Landim: “O Eike está louco atrás de você. Ele quer conversar pessoalmente. Vai ligar de novo.”

Batista ligou, e Landim atendeu. Marcaram um encontro. A conversa entre o milionário e o funcionário aconteceu na sala do primeiro, precisamente a do 10º andar da Praia do Flamengo número 154, com a tábula oval de doze lugares e a vista de tirar o fôlego. Batista expôs seus projetos de ampliação da MMX Mineração e Metálicos. Landim gostou, mas achou que ainda podia crescer na Petrobras. Headhunters também o procuraram, em nome de grandes empresas, mas ele os ignorou.

Percebeu, no entanto, que o processo de sua fritura não arrefecia. No escritório de Botafogo, contou que isso acabou queimando um dos três elementos que o deixam profissionalmente feliz: ambiência, desafios e remuneração. Esta última andava pela casa dos 40 mil  reais por mês, desafios não lhe faltavam, mas a tal ambiência, que ia bem na Distribuidora e junto à ministra Dilma,  virou um inferno na nova direção da Petrobras. Ele foi a Gabrielli e disse: “Tiro na trincheira não dá. Estou saindo.” Gabrielli se fez de rogado. Lamentou, disse que a perda seria grande, tudo com algodões, mas não moveu uma palha para demover o colega.

Landim saiu em maio de 2006. Tinha 26 anos de empresa. Foi despedir-se da ministra Dilma, então na Casa Civil, e do presidente Lula. Este perguntou, segundo ele, em que ramo iria trabalhar. Disse que não seria na área de petróleo. “Me impus uma quarentena a que não era obrigado”, afirmou. Tinha um patrimônio que estimava em 500 mil reais – entre imóveis, carros e dinheiro no banco. “Suei a camisa para economizar. Passei muitos anos sem ar-condicionado no carro”, contou o empresário, que é pão-duro assumido.

A primeira porta que o recebeu foi a do empresário Abilio Diniz, dono do grupo Pão de Açúcar. Namoro de duas semanas, atropelado pelo assédio de Eike Batista e sua proposta irrecusável: 1 milhão de dólares na assinatura do contrato, 150 mil reais limpos por mês, bonificação anual, opções de compra de ações e outros benefícios. Coisa, na média, de 40 milhões de reais por ano – ou 50 milhões, nas contas do pessoal de Batista, ciosos em demonstrar que Landim foi extremamente bem remunerado.

Landim assinou o contrato em 15 de maio de 2006 – nem duas semanas passadas desde que saíra da Petrobras. Entregou ao fisco, no primeiro ano, quase 9 milhões de reais. “Comprei esse apartamento na primeira semana com o Eike”, disse, ao mostrar o apartamento de São Conrado, com vista para o mar. “Foi uma pechincha.” Pagou pelo imóvel 450 mil reais, num leilão judicial, mais inadimplências. Hoje, depois de uma bela reforma, vale uns 4 milhões de reais.

Nos números de Landim, a MMX valia 600 milhões de reais no dia em que começou a trabalhar com Eike Batista. Depois da abertura do capital – processo que coordenou com competência reconhecida por Batista – a empresa passou a valer, em dezembro de 2006, 3,4 bilhões de reais. Quatro anos depois, somadas as outras X, o grupo EBX chegou aos tais 82,4 bilhões de reais, ou 48 bilhões de dólares. Landim se atribui uma boa parcela de responsabilidade na criação dessa riqueza, uma espécie de ChepotX, seja pela reputação profissional, seja pela liderança que exerceu, reconhecida pelo mercado.

Almoçando um peixe grelhado num restaurante do Centro velho do Rio, Landim destacou, como grandes momentos, a oferta pública de ações da MMX – uma das mais bem-sucedidas do mercado, em julho de 2006 – e, no ano seguinte, o meganegócio da venda de uma parte da MMX para a gigante Anglo American, pela fortuna de quase 6 bilhões de dólares. O Grupo EBX afirma que, somente nesta operação, Landim ganhou exatos 54.740.878,96 reais.

Àquela altura, para usar uma expressão do advogado Flávio Godinho, o clima entre Batista e Landim era de lua de mel. Fizeram dezenas de viagens a trabalho pelo mundo afora, afinaram as convergências, minimizaram as dissonâncias. Nos 50 anos de Landim, em março de 2007, teve festa num bufê do Itanhangá, bairro nobre da Zona Oeste do Rio. Batista foi com a namorada. Não achou que precisasse de fantasia e deu boas risadas ao abraçar um Landim roqueiro dos anos 70, com peruca comprida e faixa na cabeça.

O primeiro vento da tempestade que chegaria soprou, sem que eles percebessem, em dois voos internacionais. No primeiro, de Nova York para Londres, em 1º de dezembro de 2006, Landim explicou para Batista, em termos técnicos, hipotéticos, como a criação de uma outra Petrobras, menor, é claro, poderia ser um ótimo negócio. “Eu tinha na cabeça a ideia de criar uma empresa de petróleo, depois que passasse a quarentena”, contou, enquanto saboreava o cherne. “O Eike ficou louco, no avião, quando eu mostrei que os índices de acerto eram muito maiores do que na área de mineração. Não saiu mais do meu pé pelo resto da viagem.” No voo de Londres para o Brasil, três dias depois, Batista escreveu um bilhete que já entrou para a história – pelo menos para a história dos bilhetes.

Já fartamente divulgado, ele diz:

De: Eike Batista

To: Rodolfo Landim (meu amigo)

Após vários meses trabalhando com você, constatei que você pertence ao pequeno e seleto grupo de pessoas muito raras e muito especiais que conheci na minha vida.

Você é transparente, ético ao máximo, profissional competente e disciplinado – um homem do bem. Gostaria de convidá-lo a fazer parte da minha holding; como cavaleiro da “távola do sol eterno”, fiel guerreiro e escudeiro, um grande amigo!

Ao invés de uma bela espada, você receberá 1% da holding + 0,5% das minhas ações da MMR (acho, e quero, que você tenha o mesmo Nr que os outros diretores).

Uma das coisas mais gostosas na vida é trabalhar com amigos competentes e fiéis, e dividir a riqueza criada!!

Você merece,

Do amigo

(ass.) Eike Batista

Por que um empresário experiente como Eike Batista escreveria um bilhete assim? Landim respondeu: “Porque ele ficou o tempo todo no meu ouvido: ‘A gente precisa fazer a petroleira, a gente precisa fazer essa empresa, você é o cara, você é o cara.’ Eu dizia: ‘Não quero fazer. Ainda estou na quarentena. Assumi um compromisso com o Presidente da República e com a Dilma.’ Como insistiu muito, eu falei, no avião, que depois da quarentena iria pensar. Ele pegou o papel, levou uns minutos escrevendo e me entregou, animado: ‘Tá aqui, ó. Tu tem 1% de tudo o que vai ser criado.’ Eu li e achei generoso. Ficamos emocionados, apertamos as mãos e selamos o compromisso, de homem pra homem, olho no olho, honra por honra, de que eu tocaria o projeto que veio a ser a OGX.” Era 4 de dezembro de 2006.

No terraço de São Conrado, Landim contou que, dias depois de chegar ao Rio, consultou alguns advogados sobre o valor jurídico do bilhete. Ouviu opiniões afirmativas e o guardou, junto com o talão do embarque na primeira classe do voo da British Airways.

“Por que Eike Batista escreveu o bilhete?”, perguntei mais uma vez, agora para o advogado Flávio Godinho, na grande távola da Praia do Flamengo. “Porque o Eike é extremamente carinhoso e costuma escrever bilhetes elogiando seus executivos. Não foi a primeira vez. Mas foi a primeira vez que um executivo guardou um bilhete, por quatro anos, com o cuidado de também guardar o tíquete do voo em que ele foi escrito, o que prova que ele já estava mal-intencionado.” Pergunto se Landim não pode ter guardado legitimamente, para servir de garantia a uma promessa feita. “Não houve nenhuma promessa”, respondeu o advogado. “O Eike nunca teve sociedade com os seus executivos e jamais proporia isso. O bilhete não tem valor jurídico nenhum. E os contratos que o Landim assinou, depois, mostram que ele já recebeu tudo o que tinha para receber e mais alguma coisa. Foram 50 milhões de reais por ano de trabalho. Ao invés de ser grato, e reconhecer a generosidade do Eike, ele ainda quer mais.”

Godinho acrescentou: “O problema do Rodolfo foi achar que ele foi o mentor intelectual do Eike, e que foi o responsável principal por tudo o que foi feito sob a indiscutível e visionária liderança do Eike. Mas ele não foi nada disso. De 0 a 100, a participação dele foi 6. No caso da OGX, se nós fôssemos na orientação dele, ela nem teria nascido. Na MMX, ele decepcionou a todos nós, desde o início. Landim jamais foi um pilar de sustentação. Aqui a regra do jogo é clara: ganha-se muito dinheiro, mas tem que suar o litro certo. O Eike paga, mas é exigente. Se você quer boa vida, não venha para cá. Ele ganhou muito mais do que um dia podia ter imaginado. Eu adoro o Rodolfo, adoro, mas esse deslize é incompreensível.”

Landim e Nelson Guitti, que saiu antes dele, contaram que os problemas começaram depois da crise do Lehman Brothers, em 2008, quando Batista, naturalmente preocupado em perder dinheiro, passou a querer que os executivos investissem nas empresas do grupo parte dos rendimentos ganhos com a venda dos ativos para a Anglo American. “Foram recursos generosos, distribuídos até a mais, e nada mais natural do que pedir essa colaboração num momento difícil”, justificou o advogado de Eike Batista. Landim e Guitti não concordaram com todos os pedidos de contribuição, entre eles alterações contratuais que significariam diminuição de rendimentos. Insatisfeito com as mudanças das regras, mas satisfeito com a bolada que lhe resolveu a vida, Guitti saiu, como vários outros. Landim, que tinha o bilhete, ficou.

Na memória de Godinho não há um fato específico a marcar o começo do impasse. “Foi um conjunto de muitas coisas”, disse. Landim acha que há dois: a mudança das regras no meio da partida, reduzindo valores, e, no caso dele em particular, Batista ter ficado com a vaidade ferida porque o executivo estava aparecendo demais, uma espécie de outra Luma na vida dele. A gota d’água foi uma reportagem da revista IstoÉ Dinheiro, em novembro de 2008, logo depois da abertura de capital da OGX, coordenada por Landim. Sua foto está na capa,
de corpo inteiro, com o título “Ele tem R$ 8 bilhões em caixa e nenhuma gota de petróleo (ainda)”. A foto e a chamada ignoram Batista. O texto da reportagem é marginalmente mais generoso em menções ao fundador das empresas X.

Não seria a primeira vez que vaidades feridas determinariam atitudes drásticas dentro do grupo. O próprio Godinho vivera situação parecida, quando Batista o mandou embora por também achar que estava mandando demais. Da sombra do pai, o engenheiro Eliezer Batista, presidente mítico da Vale do Rio Doce, ele ainda fala. Contou, por exemplo, à revista Alfa de dezembro, em reportagem de Vicente Vilardaga, uma história que poucos conheciam: ao ouvir os projetos do filho, então com 21 anos, o pai lhe entregou um diploma de idiota. Batista tem feito declarações públicas com elogios ao pai, mas em histórias como essa, contadas espontaneamente trinta anos depois dos fatos, é difícil não detectar certo gozo em alardear para o mundo que o grande homem estava errado e o idiota venceu.

Esse traço psicológico também apareceu em uma das melhores entrevistas de Eike Batista, dada ao jornalista americano Charlie Rose e levada ao ar pela televisão pública americana em fevereiro deste ano. Está disponível nos sites do jornalista e da EBX. Há, porém, uma discrepância entre as duas versões. O trecho transcrito abaixo só pode ser visto no site de Charlie Rose, pois é o único a ter sido expurgado da tradução disponível no endereço eletrônico da empresa de Batista. Refere-se à ex-esposa, Luma de Oliveira.

Rose pergunta:

Agora um pouco de psicologia. Seu pai era famoso, você era casado com um mulher muito conhecida, capa da Playboy. Alguma coisa em você acordou e o fez decidir: Eu preciso deixar uma marca no mundo, eu serei o homem mais rico do Brasil?

Eike Batista responde:

Até o ano 2000 eu aceitava ser o marido da Luma, minha mulher. Foram doze anos muito felizes. [...] Aí eu disse: “Agora estou sozinho, como faço para deixar minhamarca no mundo.” Acho que você tem razão, a psicologia explica um pouco isso.

O processo de desgaste entre as duas vaidades durou mais de um ano – até Landim ter sido definitivamente despedido, em maio de 2010. “Foi tenso”, disse, em seu novo escritório. Batista não é direto no confronto. O processo de afastamento é sutil. Landim foi perdendo espaço, renegociando o que aceitou – para menos – e batendo o pé contra prejuízos maiores, em seu entendimento. Batista o demitiu uma primeira vez, e o chamou de volta. Uma segunda, com novo recuo. Na terceira, não teve volta.

O bilhete voltou ao proscênio: Você receberá 1% da holding + 0,5% das minhas ações daMMX “Era tudo o que eu tinha para provar que ele havia assumido um compromisso e para abaixar a crista daquela arrogância, que acha que pode tudo, inclusive mudar as regras do jogo a seu bel-prazer”, afirmou o empresário. “Mas passar a mão na minha bunda não. Jamais!”, exclamou. Segundo conta, sua primeira atitude foi propor uma negociação. Procurou o advogado Raphael de Almeida Magalhães, conselheiro de empresas de Batista. Não deu certo. Procurou, então, o advogado Sergio Tostes, de banca prestigiada. Quando leu o bilhete, Tostes não perdeu a brincadeira: “Você sabe que se isso vier a público vão dizer que tem paixão no meio?” Landim também riu, e assinou a procuração.

Tostes argui, na inicial que deu entrada em agosto passado, que o bilhete, ali chamado de “documento” ou “instrumento manuscrito de próprio punho pelo réu”, encerra um “inquestionável comprometimento de natureza societária”. Num trecho da página dez, lê-se: “Não existem [no bilhete] palavras vãs. A expressão ‘fazer parte da minha holding’ só tem um significado lógico, semântico e, principalmente, jurídico: ser sócio da minha holding. Não há possibilidade de qualquer tergiversação.” Pede que Eike Batista seja condenado a indenizar seu cliente, por danos materiais, no montante de 1% das ações em todas as empresas do grupo, valor a ser apurado em perícia, mas estimado, no mínimo, em 300 milhões de dólares (1% do suposto valor de mercado de 30 bilhões de dólares, que segundo a EBX já está em 40 bilhões de dólares). Tostes deu à causa o valor de 1,2 milhão de reais.

O defensor de Batista é o advogado Sergio Bermudes, de banca igualmente prestigiada. Ele não quis dar entrevista. Sua contestação diz que a ação de Landim “não passa de feio e canhestro expediente, destinado à colheita de pingues [gordos] lucros resultantes da imaginária capitulação do demandado à inescrupulosa tentativa de alimentar a cobiça de quem não se contenta com os gigantescos proveitos obtidos pelo exercício das funções em empresas de controle do suplicado”.

Esses proveitos, na conta de Bermudes, foram, nos quatro anos, de 200 milhões de reais – “mais de 4 milhões de reais por mês, equivalentes a cerca de 130 mil reais por dia de trabalho, compensação exuberante dos seus afazeres, que não propiciaram os resultados de que ele se vangloria”.

Nas 37 páginas de sua argumentação, Bermudes não contesta a existência do bilhete, que chama de “papelucho”, nem as circunstâncias em que foi escrito, mas o valor jurídico, que para ele é nenhum. O “papelucho” é explicado pelo advogado como uma “declaração programática”, uma “afirmação idealística”, uma “declaração de sentimento”, porque “não cria, nem sequer esboça, direito algum”.

Sergio Tostes disse, em entrevista telefônica: “Papel, papelucho, papelzinho, papiro ou o que for, vale pelo que nele estiver contido. É um manuscrito de autoria definida e destinatário certo. O réu pode debochar do papel que ele próprio escolheu, mas não pode fugir daquilo a que se comprometeu.” Quanto à classificação de Bermudes para o bilhete, ele só concordou com a “declaração de sentimentos” – pela quantidade de elogios de Batista a Landim.

Quem perde uma causa, paga a chamada sucumbência – que é um percentual sobre o valor da mesma, estipulado pelo juiz ao final do processo.

Em uma outra petição, Sergio Bermudes pediu ao juiz da 4ª Vara Empresarial, onde o processo tramita, a impugnação do valor da causa, os 1,2 milhão de reais sugeridos por Tostes. Achou-o “irrisório e ridículo, se comparado com o gigantismo do pedido monstruoso, com o inegável objetivo de minimizar os riscos de sua aventura judicial”. Fez, então, o cálculo de quanto seria o 1% reivindicado por Rodolfo Landim. Considerou o valor de participação da holding Centennial Asset Mining Fund, de Batista, apenas na OGX e OSX, e afirmou, na petição, que o “exorbitante pedido” de Landim “corresponde a, no mínimo, R$ 493.054.748,55”. Este deve ser o valor da causa, pediu ao juiz. “É uma tentativa de intimidar o meu cliente”, disse Sergio Tostes. “Mas, quando ganharmos, já há pelo menos um cálculo, feito por eles, de quanto será pago ao Landim.” Para usar o jargão, é briga de cachorro grande. “Quem viver, verá”, disse Flávio Godinho. “Quem viver, verá”, afirmou Sergio Tostes.

Rodolfo Landim, consultor de empresas e colunista quinzenal do jornal Folha de S.Paulo, está dando partida em empreendimentos novos: um deles, com Guitti e outros sócios, entre os quais o ex-presidente do BNDES, Demian Fiocca, é um fundo de private equity. O outro é uma empresa de petróleo, sua. Já está funcionando, na praia de Botafogo, com especialistas que ele trouxe da Petrobras. O nome é YXC. Numa livre tradução do inglês, por ele estimulada, pode-se ler: “O Eike se…” Landim dá uma risada e diz que não vai decifrar o jogo de letras: “É um segredo nosso.”

Flávio Godinho encerrou assim: “Um trapezista pode fazer mil piruetas. Mas, no dia em que achar que voa, ele se esborracha. O Rodolfo se esborrachou.” Landim também disse o “quem viver verá.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>